Curiosidades sobre a Caatinga

Leia no texto abaixo várias curiosidades interessantes sobre a fauna e a flora da Caatinga.

Paisagem típica da Caatinga
Paisagem típica da Caatinga

 

Curiosidades sobre o bioma Caatinga:

 

- A caatinga ocupa cerca de 11% do território do Brasil.

 

- Vivem na caatinga 178 espécies de mamíferos, 177 de répteis, 79 de anfíbios, 591 de aves e 241 de peixes. Portanto, ao contrário do que muitos pensam, a caatinga é um bioma com importante e rica biodiversidade.

 

- A caatinga é o único bioma que só existe no Brasil. Logo, não podemos encontrar ele em nenhuma outra região do mundo.

 

- Foi criado um dia em homenagem a este importante bioma brasileiro. Em 28 de abril é comemorado, no Brasil, o Dia Nacional da Caatinga.

 

- Cerca de 45% da paisagem natural da caatinga já foi devastada pela ação predatória do ser humano.

 

- A ave mais ameaçada de extinção no Brasil, a ararinha-azul, tem como habitat natural a caatinga.

 

- A palavra caatinga é de origem indígena. Na língua tupi, caatinga significa mata branca, pois ka’a = mata e tinga = branca.

 

- As áreas mais secas do território brasileiro estão presentes na caatinga.

 

- Uma das plantas mais típicas e conhecidas da caatinga é um cacto chamado xique-xique. Seu nome científico é Pilosocereus polygonus. Outras plantas típicas deste bioma são: juazeiro, mandacaru e umbuzeiro.

 

- Nas épocas mais secas e quentes do ano, o solo de algumas áreas da caatinga pode chegar a 60°C. Temperatura muito próxima de áreas de deserto.

 

- Na caatinga vivem as pessoas mais carentes do Brasil. Elas passam muitas necessidades e dificuldades em função da seca que atinge muitas áreas deste bioma.

 

- A caatinga foi o território em que os cangaceiros mais transitaram no final do século XIX e começo do XX. Eles usavam roupas e chapéus de couro para se protegerem da vegetação cheia de espinhos da caatinga.

 

Foto de uma ararinha-azul criada em cativeiro

Ararinha-azul (Cyanopsitta spixii): uma das aves da caatinga com maior risco de extinção.

 

 



revisado em 28/09/2020.