CELAC

O que é, objetivos, países membros, criação, informações, dados sociais e econômicos, PIB

I Reunião de Cúpula da CELAC em 2011
I Reunião de Cúpula da CELAC em 2011

 

O que é e criação

 

A CELAC (Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos) é um bloco regional intergovernamental composto por 33 países. Foi criada em fevereiro de 2010, na Cúpula da Unidade da América Latina e do Caribe. A CELAC é herdeira do Grupo do Rio e da CALC (Cúpula da América Latina e do Caribe).

 

Objetivos principais

 

- Coordenar políticas em nível regional, possibilitando a integração entre os países da América Latina e Caribe.

 

- Favorecer e possibilitar o diálogo entre os países membros.

 

- Atuar em prol do desenvolvimento dos países membros.

 

- Incentivar a troca de experiências em áreas importantes (economia, políticas sociais e cooperação educacional).

 

- Estabelecer políticas na área de cooperação migratória.

 

- Favorecer o desenvolvimento na área econômica, principalmente, incentivando o comércio exterior entre os países membros.

 

Países membros da CELAC


- Brasil

- Argentina

- Bolívia

- Chile

- Colômbia

- Costa Rica

- Cuba

- República Dominicana

- Equador

- El Salvador

- México

- Nicarágua

- Panamá

- Paraguai

- Peru

- Uruguai

- Venezuela

- Antígua e Barbuda

- Bahamas

- Barbados

- Belize

- Dominica

- Granada

- Guiana

- Jamaica

- Santa Lúcia

- São Cristóvão e Nevis

- Trinidad e Tobago

- São Vicente e Granadinas

- Suriname

 

Alguns dados e informações sobre a CELAC

 

- Área total: 20.455.701 km2.

 

- Idiomas oficiais: espanhol, português e francês.

 

- População total: 621 milhões de habitantes (estimativa 2018).

 

- Data de fundação: 23 de fevereiro de 2010.

 

- PIB: US$ 9,1 trilhões (estimativa 2018)

 

- PIB per capita: US$ 14.655 (estimativa 2018)

 

Reuniões

 

- A quarta reunião da cúpula da CELAC ocorreu no final de janeiro de 2017 na cidade de Punta Cana (República Dominicana). Investimentos e comércio exterior foram os principais temas discutidos pelos chefes de estado.