Economia Brasileira

Economia Brasileira atual, dados de 2018, 2019, 2020, resumo, índices, desemprego, exportações, importações, inflação, PIB, setores da economia, comércio exterior, importações, saldo comercial, parceiros econômicos, produtos, energia

Economia brasileira: entre as dez maiores do mundo
Economia brasileira: entre as dez maiores do mundo

 

Introdução (características gerais)



Embora esteja passando por um momento de crise, provocada principalmente por problemas políticos, o Brasil ainda apresenta uma economia forte e sólida. O país é um grande produtor e exportador de mercadorias de diversos tipos, principalmente commodities minerais, agrícolas e manufaturados. As áreas de agricultura, indústria e serviços são bem desenvolvidas e encontram-se, atualmente, em bom momento de expansão. Considerado um país emergente, o Brasil ocupa o 8º lugar no ranking das maiores economias do mundo (em volume de PIB de 2019). O Brasil possui uma economia aberta e inserida no processo de globalização.

 

Informações, índices e dados da economia brasileira (resumo):



Moeda: Real (símbolo R$)


PIB de 2019 (Produto Interno Bruto): R$ 7,257 trilhões (US$ 1,605 trilhão - cotação do dólar de 04/03/2020 a R$ 4,52).


Renda per Capita de 2019 (PIB per capita): R$ 34.533,00 (alta real de 0,3% em relação ao ano anterior). Em dólar: US$ 7.640,00 (taxa de câmbio de 04/03/2020 com dólar a R$ 4,52).


Coeficiente de Gini: 49,8 (2013) - alto


Evolução do PIB nos últimos anos: 1,3% (2001); 3,1% (2002); 1,2% (2003); 5,7% (2004); 3,1% (2005); 4% (2006); 6% (2007); 5% (2008); - 0,2% (2009); 7,6% (2010); 3,9% (2011); 1,9% (2012); 3% (2013); 0,5% (2014); -3,5% (2015); -3,3 (2016); +1,3% (em 2017); +1,3% (em 2018) e +1,1% (em 2019).

 

Desempenho do PIB no ano de 2019 (resultado do 4º trimestre): +0,5% (em relação ao trimestre anterior). Em valores correntes: R$ 1,893 trilhão.

Desempenho do PIB no ano de 2019 (resultado do 3º trimestre): +0,6% (em relação ao trimestre anterior). Em valores correntes: R$ 1,842 trilhão.

Desempenho do PIB no ano de 2019 (resultado do 2º trimestre): +0,4% (em relação ao trimestre anterior). Em valores correntes: R$ 1,780 trilhão.

Desempenho do PIB no ano de 2019 (resultado do 1º trimestre): -0,2% (em relação ao trimestre anterior). Em valores correntes: R$ 1,714 trilhão.


Taxa de investimentos (Formação Bruta de Capital Fixo): 15,4% do PIB (em 2019).


Carga tributária: 35% do PIB (em julho de 2019), o equivalente a R$ 2,39 trilhões em impostos.

Taxa de poupança: 12,2% do PIB (ano de 2019).


Inflação em 2019:
4,31% (IPCA de 2019), ficando acima do centro da meta que é de 4,25%.


Inflação em 2020: 0,25% (IPCA de fevereiro de 2020).


Força de trabalho: 106,1 milhões de trabalhadores (de novembro de 2019 a janeiro de 2020 - IBGE): 94,2 milhões de ocupados e 11,9 milhões de desocupados.


Taxa de desemprego: 11,9% (taxa média anual de 2019) / 11,2% (de novembro de 2019 a janeiro de 2020 - IBGE) com 11,9 milhões de desempregados.


Brasileiros empregados (população ocupada):
94,2 milhões de pessoas (de novembro de 2019 a janeiro de 2020 - IBGE).


Rendimento médio dos trabalhadores brasileiros:
R$ 2.361 (de novembro de 2019 a janeiro de 2020 - IBGE).


Taxa básica de Juros do Banco Central (SELIC): 3,75% ao ano (referência: desde 18 de março de 2020).


Taxa de Longo Prazo (TLP): formada mensalmente por uma parte de juros reais pré-fixados multiplicado por um fator de inflação IPCA. Para o primeiro trimestre de 2020, o Banco Central fixou a TJLP em 5,09% ao ano.


Salário Mínimo Nacional: R$ 1.045,00 (a partir de 1º de janeiro de 2020).


Dívida Externa: US$ 151,7 bilhões (setor público mais setor privado) - dados relativos a junho de 2019. Fonte: Tesouro Nacional do Brasil.

 

Dívida Federal Externa: R$ 151,7 bilhões ou US$ 40,34 bilhões (em junho de 2019). Queda de 2,48% na passagem de maio para junho de 2019.

 

Dívida Pública Mobiliária Federal Interna (DPMFi): R$ 3,83 trilhões (em junho de 2019) - alta de 2,44% em relação ao mês anterior.


Dívida Pública (porcentagem do PIB): 76,7% (em 2018)

 

Dívida pública federal em valores (dívida interna + externa): R$ 3,977 trilhões (em junho de 2019) - aumento de 2,24% na passagem de maio para junho.

 

Transações correntes (transações do Brasil com o exterior):  em 2017 o déficit foi de US$ 9,8 bilhões (0,48% do PIB). Em outubro de 2018, o Brasil apresentou superávit de US$ 329 milhões.

 

Resultado primário do setor público (união, estados e municípios e suas estatais): déficit de R$ 108,258 bilhões (em 2018) - 1,57% do PIB.


Contas do Setor Público (consolidado)*: déficit primário de R$ 41,133 bilhões (em dezembro de 2018). * envolve governo federal, estados, municipios e empresas estatais (exceto Eletrobras e Petrobras).

 

Contas do Governo Federal (Tesouro Nacional, Banco Central e Previdência Social): déficit primário de R$ 95,065 bilhões (em 2019). Representou 1,3% do PIB. Em janeiro de 2020, houve superávit primário de R$ 44,124 bilhões.

 

Reservas internacionais: US$ 356,9 bilhões (em dezembro de 2019).

 

Investimentos Públicos: R$ 56,6 bilhões (em 2019)

 

Produção industrial 2019: -1,1% (em relação ao ano anterior).


Produção industrial 2020: +0,5% (na passagem de janeiro para fevereiro).

 

Arrecadação federal (impostos e tributos recolhidos): R$ 1,457 trilhão (sem correção pela inflação) no ano de 2018 - aumento real de 4,74% em relação ao ano anterior. No primeiro semestre de 2019, a arrecadação foi de R$ 757,6 bilhões (alta real, já descontada a inflação, de 1,80% em relação ao mesmo período do ano passado). No mês de fevereiro de 2020, a arrecadação foi de R$ 116,430 bilhões (queda real de 2,7% em relação ao mês de janeiro de 2020).

 

Poupança nacional bruta: R$ 869 bilhões (ano de 2016).

 

Investimentos diretos no país (IDP): US$ 78,56 bilhões (ano de 2019)

 

Contas externas em 2019 (transações correntes): déficit de US$ 50,762 bilhões (cerca de 2,75% do PIB). Houve alta do déficit de 22,2% em relação ao ano anterior.


Contas externas no 1º semestre de 2018 (transações correntes): déficit de US$ 3,5 bilhões.



Comércio Exterior:



Exportações: US$ 224,018 bilhões (2019) - queda de 7,5% em relação ao ano anterior.


Importações: US$ 177,344 bilhões (2019) - queda de 3,3% em relação ao ano anterior.


Saldo da balança comercial (2019): Superávit de US$ 46,67 bilhões (R$ 188,5 bilhões - conversão em 03/01/2020 com dólar a R$ 4,04). Em janeiro de 2020, a balança comercial brasileira apresentou déficit de R$ 7,4 bilhões.

Países que o Brasil mais importou (2019): China, Estados Unidos, Alemanha, Argentina e Coreia do Sul.


Países que o Brasil mais exportou (2019): China (incluindo Hong Kong e Macau), Estados Unidos, Holanda, Argentina e Japão


Principais produtos exportados pelo Brasil (2019): soja em grãos, petróleo bruto, celulose, milho em grãos, carne de boi, carne de frango, farelo de soja, café em grãos, açúcar e semimanufaturados de ferro e aço.


Principais produtos importados pelo Brasil (2019): petróleo bruto; circuitos eletrônicos; transmissores/receptores; peças para veículos, medicamentos; automóveis, óleos combustíveis; gás natural, equipamentos elétricos e motores para aviação.


Organizações comerciais que o Brasil pertence: Mercosul, Unasul e OMC (Organização Mundial de Comércio).

 


Tipos de energia consumida no Brasil (dados de 2017):


- Petróleo e derivados: 37,5%

- Hidráulica: 14,5%

- Gás natural: 10%

- Carvão Mineral: 5,1%

- Biomassa: 21,2%

- Lenha: 9,4%

- Nuclear: 1,5%

- Eólica: 0,7%



Principais produtos agrícolas produzidos: café, laranja, cana-de-açúcar (produção de açúcar e álcool), soja, tabaco, milho e mate.



Principais produtos da pecuária: carne bovina, carne de frango e carne suína.



Principais minérios produzidos: ferro, alumínio, manganês, magnesita e estanho.



Principais setores de serviços: telecomunicações, transporte rodoviário, técnico-profissionais prestados à empresas, transporte de cargas, limpeza predial e domiciliar, informática, transportes aéreos e alimentação.



Principais setores industriais: alimentos e bebidas, produtos químicos, veículos, combustíveis, produtos metalúrgicos básicos, máquinas e equipamentos, produtos de plástico e borracha, eletrônicos e produtos de papel e celulose.

 

Fontes: IBGE, Ministério de Minas e Energias, Banco Central do Brasil, Banco Mundial, CIA The World Factbook e MDIC (Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços).

 

 

________________________________


dados atualizados e revisados em 04/03/2020.