José Lins do Rego: vida e obra

José Lins do Rego foi um escritor brasileiro do século XX.

Foto do jornalista, cronista e romancista José Lins do Rego
Foto do jornalista, cronista e romancista José Lins do Rego

 

Quem foi

 

José Lins do Rego Cavalcanti foi um importante escritor brasileiro, notório por suas obras que retratam a vida no nordeste do Brasil, em particular no estado da Paraíba, durante o declínio da indústria açucareira.



Biografia resumida

 

José Lins do Rego Cavalcanti nasceu em 1901, no Estado da Paraíba.


Viveu a maior parte de sua vida em Recife, cidade onde se formou em Direito, mas nunca chegou a exercer a profissão de advogado de forma intensiva, dedicando-se mais à literatura e ao jornalismo.

 

A partir de 1936, passou a viver na cidade do Rio de Janeiro.

 

José Lins do Rego foi casado e teve filhos. Ele se casou com Philomena Massei, conhecida como Dona Neném, em 1924. O casal teve três filhos: Maria do Carmo, José Lins do Rego Filho e Teresinha.

 

No ano de 1943, publicou o livro Fogo Morto, considerado a sua obra-prima; posteriormente escreveu Euridice, Cangaceiros, alguns ensaios, crônicas e outras obras.

 

Este notável escritor foi eleito membro da Academia Brasileira de Letras e teve suas obras traduzidas para diferentes idiomas, entre eles, o russo. Antes de morrer, escreveu um livro de memórias chamado: Meus Verdes Anos.

 

Morreu em 1957 na cidade do Rio de Janeiro.



Características do estilo literário:

 

O dia a dia e os costumes tanto de Pernambuco quanto do Rio de Janeiro eram evidentes em suas obras literárias.

 

A escrita de José Lins do Rego é marcada pela riqueza de detalhes na descrição das paisagens, dos costumes e do cotidiano dos habitantes dos engenhos. Ele aborda temas como a infância, as relações familiares, a exploração dos trabalhadores, as mudanças sociais e econômicas e a perda da inocência.


Ele deu início ao conhecido Ciclo da Cana-de-Açúcar com a obra: Menino de Engenho. Além deste livro, este notável escritor escreveu outros livros, como: Doidinho, Banguê, O Moleque Ricardo e Usina. Este último possui narrativa descritiva do meio de vida nos engenhos e nas plantações de cana-de-açúcar do Nordeste.  



Em sua segunda fase, José Lins do Rego escreveu romances que tinham como tema a vida rural. Deste período, fazem parte as seguintes obras: Pureza, Pedra Bonita, Riacho Doce e Água Mãe



Principais obras de José Lins do Rego


- Menino de engenho (1932) 


- Doidinho (1933) 


- Banguê (1934) 


- O Moleque Ricardo (1935) 


- Usina (1936) 


- Pureza (1937) 


- Pedra bonita (1938) 


- Riacho doce (1939) 


- Fogo morto (1943) 


- Eurídice (1947) 


- Cangaceiros (1953) 


- Gordos e magros (1942)

 
- Poesia e vida (1945) 


- Homens, seres e coisas (1952) 


- A casa e o homem (1954) 


- Meus verdes anos (1956) 


- O vulcão e a fonte (1958) 


- Dias idos e vividos (1981)

 

Capa do livro Menino de Engenho de José Lins do Rego
Capa do livro Menino de Engenho, de José Lins do Rego, romance de sucesso lançado em 1932.

 

 



Por Elaine Barbosa de Souza
Graduada em Letras (Português e Inglês) pela FMU (2002).