Senzala dos Escravos

No Brasil Colonial e Imperial, a senzala era a habitação dos escravos.

Senzala do período colonial: habitação dos escravos
Senzala do período colonial: habitação dos escravos

 

O que é - definição histórica


A senzala era uma espécie de habitação ou alojamento dos escravos brasileiros. Elas existiram durante toda a fase de escravidão (entre o século XVI e XIX) e eram construídas dentro da unidade de produção (engenho, mina de ouro e fazenda de café).

 

Principais características de uma senzala:



As senzalas eram galpões de porte médio ou grande em que os escravos passavam a noite. Muitas vezes, os escravos eram acorrentados dentro das senzalas para evitar as fugas.



Costumam ser rústicas, abafadas (possuíam poucas janelas) e desconfortáveis. Eram construções muito simples feitas geralmente de madeira e barro e não possuíam divisórias.



Os escravos dormiam no chão duro de terra batida ou sobre palha. Costuma haver na frente das senzalas um pelourinho (tronco usado para amarrar o escravo para a aplicação de castigos físicos).


Pontos turísticos na atualidade



Algumas fazendas do interior do Brasil preservaram estas senzalas que hoje são visitadas como pontos turísticos. Mostram um aspecto importante da história de nosso país: a falta de humanidade com que os africanos foram tratados durante séculos no Brasil.

 

Foto de uma senzala preservada

Senzala preservada no interior do estado de São Paulo. Atualmente é uma atração turística e cultural.



Etimologia (origem da palavra)

 

- Em quimbundo (língua africana de Angola), sa'nzala significa povoação. Essa é a origem da palavra senzala.

 

Representação de uma senzala com escravos

Senzala: a habitação dos escravos brasileiros no Brasil Colonial.

 

 



Última revisão: 08/05/2020

Por Jefferson Evandro Machado Ramos
Graduado em História pela Universidade de São Paulo - USP (1994).