Arthur Rimbaud

Arthur Rimbaud foi um poeta francês simbolista da segunda metade do século XIX.

Arthur Rimbaud: um dos grandes nomes da poesia simbolista francesa
Arthur Rimbaud: um dos grandes nomes da poesia simbolista francesa

 

Quem foi

 

Jean-Nicolas Arthur Rimbaud foi um escritor, pesquisador e, principalmente, poeta francês da segunda metade do século XIX. É considerado um importante representante do Simbolismo na literatura francesa. Sua principal obra foi Uma temporada no inferno (1873). É considerado, por muitos críticos literários, como um precursor da literatura modernista e também do surrealismo.

 

Rimbaud nasceu na cidade de Charleville (França) em 20 de outubro de 1854. Faleceu em 10 de novembro de 1891, aos 37 anos, em Marselha (sul da França).

 

Sua obra serviu de referência para muitos escritores simbolistas, além de ter importante influência na literatura francesa do século XX.



Movimento literário que pertenceu:

 

- Simbolismo


Principais características do estilo literário de Rimbaud:

 

Suas poesias possuem forte aspecto subversivo e não seguem o modelo clássico.

 

Rimbaud formulou uma abordagem radical, usando sua metodologia ilógica e espontânea, que perturbou as convenções existentes e revelou-se inspiradora para muitos dos que o seguiram, especialmente aqueles com ligações aos movimentos simbolista, dadaísta e surrealista.

 

Usou muitas expressões e termos rudes em suas poesias.

 

Utilizou diversos níveis de linguagem, muitas vezes sem lógica.

 

Tratou temas clássicos de forma revolucionária (contra a ordem estabelecida).

 

Muitas de suas tratam de uma série de assuntos, como o absurdo da guerra, os horrores da pobreza, a hipocrisia da burguesia e as alegrias de viver um estilo de vida livre e boêmio.

 

Presença, em suas poesias, de cores, imagens e musicalidade.

 

Na época em que viveu, muitos acharam suas poesias de mau gosto e até repugnantes.

 

Busto em homenagem a Rimbaud

Busto em homenagem a Rimbaud na cidade francesa de Charleville-Mézières.

 

 

Principais obras de Rimbaud:

 

- Vênus Anadyomène (1870)

 

- Uma temporada no inferno (1873)

 

- Iluminuras (1886)

 

- O barco ébrio (1871)

 

- Poesias completas (1895)

 

- Correspondência (1899)

 

- Relicário (1891)

 

- O coração sob uma batina (1924)



Curiosidades:

 

- Rimbaud, na fase final de sua vida, trabalhou como comerciante de armas.

 

- Rimbaud, teve um caso amoroso tumultuado com outro poeta simbolista, Paul Verlaine.

 

- A causa da morte de Arthur Rimbaud foi câncer ósseo.

 

Capa do livro Poesias Completas de Rimbaud
Capa da primeira edição do livro Poesias Completas (1895) de Rimbaud.

 

 

Exemplo de uma obra de Rimbaud:

 

Uma estação no inferno


Antigamente, se bem me lembro, minha vida era um festim no qual todos os
corações exultavam, no qual corriam todos os vinhos.

Uma noite, sentei a Beleza em meus joelhos. - E achei-a amarga. - E injuriei-a.
Armei-me contra a justiça.

Fugi. Ó feiticeiras. ó miséria, ó ódio, a vós é que foi confiado o meu tesouro!
Tudo fiz para que se desvanecesse em meu espírito a esperança humana.

Como um animal feroz, investi cegamente contra a alegria para estrangulá-la
Conjurei os verdugos para morder, na minha agonia, a culatra de seus fuzis.
Conjurei as pragas, para afogar-me na areia, no sangue. Fiz da desgraça a
minha divindade. Refocilei na lama. Enxuguei-me ao ar do crime. E preguei
boas peças à loucura.

E a primavera trouxe-me o horrível gargalhar do idiota. Ora, por último,
chegando a ponto de quase fazer o trejeito final, sonhei encontrar a chave do
festim antigo, no qual talvez recobraria o apetite.

A caridade é essa chave. - Esta inspiração prova que tenho sonhado!
"Sempre serás hiena, etc..." exclama o demônio que me coroou de tão amáveis
papoulas. "Vence a morte com todos os teus apetites, com todo o teu egoísmo
e todos os pecados capitais".

Ah! estou farto de tudo isso: - Mas, querido Satã, eu te conjuro a que não me
fites com pupila tão irritada! e à espera das pequenas covardias atrasadas, para
vós outros que admirais no escritor a ausência das faculdades descritivas ou
pedagógicas, para vós arranco algumas hediondas páginas do meu caderno de
condenado.

 

 


 

Artigo publicado em 20/12/2019 e atualizado em 14/05/2024

Por Elaine Barbosa de Souza
Graduada em Letras (Português e Inglês) pela FMU (2002).