História da China Antiga

Resumo da História da China Antiga, fases, Muralha da China, as dinastias, as invasões árabe e mongol e a expansão territorial, política, economia, cultura e bibliografia.

Muralha da China: grande exemplo da arquitetura chinesa
Muralha da China: grande exemplo da arquitetura chinesa

 

Formação dos reinos feudais e as funções dos reis e nobres


Em decorrência das invasões sofridas, a China foi dividida em reinos feudais independentes no período compreendido entre os séculos III e IV. Nesse tipo de reino, o rei desempenhava a função de chefe religioso e cabia aos nobres a responsabilidade de defender o território contra as invasões estrangeiras.

 

Resumo das principais fases da história da China Antiga

 

Dinastias chinesas


Após um período de luta entre os principados, quando os nobres já se encontravam mais fortes do que o rei, houve o surgimento das primeiras dinastias chinesas. A primeira delas foi a Sui, que no ano de 580 conseguiu unificar os reinos. No ano de 618, essa dinastia foi substituída pela Tang, que teve como característica principal a contribuição significativa no desenvolvimento cultural do povo chinês. 

 

A dinastia Tang entrou em declínio após ser derrotada pelos árabes, no ano de 751, sendo substituída, em 907, pela dinastia Sung. Esta última elevou o crescimento econômico e estimulou o desenvolvimento da cultura. Foi também durante essa dinastia que a pólvora foi inventada.   

 

O período da fragmentação política

 

Entre os anos de 907 e 960, a história da China foi marcada pela fragmentação política. Essa época ficou conhecida como o Período das Cinco Dinastias e Dez Reinos. Nessa fase, a China se transformou num conjunto de vários estados independentes.

 

Domínio mongol

 

No período compreendido entre os anos de 1211 e 1215, os mongóis invadiram a China e deram início ao seu império, que passou a ser dividido em 12 províncias. Contudo, eles deram continuidade ao desenvolvimento alcançado pelo reino anterior. 

 

Em 1368, a dinastia mongol foi derrubada pela resistência interna, e, essa, assumiu o poder com o nome de dinastia Ming. Durante esse período, foi realizada uma política que expandiu o território chinês para a Manchúria, Indochina e Mongólia. Entretanto, esse reinado começou a cair com a chegada dos europeus, em 1516, e teve seu fim definitivo no ano de 1644, após a invasão manchu. 

 

Religião e cultura da China Antiga


Quando estudamos a China, não podemos deixar de estudar outros dois pontos importantes. O primeiro deles é o Budismo, que teve forte influência nas manifestações artísticas chinesas como a literatura, a pintura e a escultura. O segundo é a Grande Muralha da China, que foi levantada, antes do século III a.C., com o propósito de defender os principados contra as invasões de seus inimigos. Foi reconstruída entre os séculos XV e XVI, cruzando o país de leste a oeste.

 

Você sabia?

 

Um dos mais importantes filósofos da China Antiga foi Confúcio (criador do Confucionismo). Ele defendia a ideia de que a natureza humana é boa, porém, é corrompida pelo uso indevido do poder. Este pensamento foi muito utilizado para explicar o período de fragmentação política, vivido pela China no século X.


Qin Shihuang foi primeiro imperador chinês

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Qin Shihuang, primeiro imperador da China. Seu reinado foi de 241 a.C. a 221 a.C.

 

 

Última revisão: 20/11/2018
___________________________________

Por Jefferson Evandro Machado Ramos
Graduado em História pela Universidade de São Paulo - USP (1994).