Colonização da Oceania

História da colonização da Oceania, resumo, contatos dos nativos com os europeus, fases da conquista e colonização da Austrália e Nova Zelândia, holandeses, ingleses e franceses.

Fundação da cidade de Perth na Austrália (1829): primeiros anos da colonização da Austrália.
Fundação da cidade de Perth na Austrália (1829): primeiros anos da colonização da Austrália.

 

Introdução

 

Oceania é o nome dado às ilhas espalhadas pela maior parte do Oceano Pacífico. Popularmente, não fazem parte da Oceania a Indonésia, Taiwan e as Filipinas, porque os povos e culturas dessas ilhas estão ligados historicamente ao continente asiático. A Oceania tem, portanto, sido dividida em: Australásia (Austrália e Nova Zelândia), Melanésia, Micronésia e Polinésia. Embora discordem em detalhes, os cientistas acreditam que os povos dessa região tiveram sua origem no Sudeste Asiático.



Contato entre nativos e europeus


Antes do século XVI, os contatos diretos entre a Oceania e as civilizações asiáticas, ou mesmo americanas, não foram suficientes para revolucionar a vida dos nativos. Todavia, a descoberta das ilhas Marianas por Magalhães, em 1521, inaugurou uma nova era. Durante os quatro séculos e meio que se seguiram à sua viagem, dezenas de milhares de povos visitaram ou residiram na Oceania.


Depois da descoberta de Magalhães, os portugueses começaram a explorar a região: em 1525 descobriram as ilhas Carolinas e, no ano seguinte, a Nova Guiné. Os holandeses percorreram o litoral da Austrália em 1642 e descobriram a Tasmânia, as ilhas Tonga, Fiji e Bismarck. No século XVIII, foi a vez dos ingleses e dos franceses. Entre 1764 e1770 os ingleses percorreram Tahiti, Samoa e Salomão. James Cook, entre 1768 e 1779, chegou ao arquipélago da Sociedade, Nova Zelândia, Marquesas e Havaí. Os franceses, por sua vez, exploraram as ilhas ao mesmo tempo que os ingleses. Todas essas viagens determinaram a divisão da Oceania entre esses países.



Resumo das fases de colonização do continente


Com exceção da Austrália, Nova Zelândia e Havaí, onde o processo de ocidentalização ocorreu em um ritmo mais rápido, a história do contato cultural na Oceania pode ser descrita em cinco fases distintas, mas sobrepostas.


A fase de exploração começou com Magalhães e ainda está acontecendo em partes da Nova Guiné.


Comerciantes e missionários iniciaram suas operações por volta de 1780 até cerca de 1850 (os missionários católicos atuaram muito antes de 1780, mas apenas nas ilhas Marianas). O despovoamento e a agitação política continuaram durante essa fase e foram acompanhados pelo colapso das instituições religiosas indígenas e de estruturas políticas sancionadas pela religião.


Por volta de 1860, fazendeiros, recrutadores de mão de obra e comerciantes iniciaram mudanças decorrentes do deslocamento de grandes segmentos da população masculina por longos períodos de trabalho, a introdução de dinheiro e o desejo por produtos manufaturados ocidentais.


Apesar do controle administrativo estrangeiro, a interferência nas estruturas políticas nativas foi mais direta antes da Segunda Guerra Mundial. Essa fase também testemunhou o aumento na população nativa, seja por causa da melhoria dos serviços médicos, seja pelo aumento do fluxo de ocidentais.


Por fim, a Segunda Guerra Mundial serviu não apenas para acelerar as mudanças já em andamento, como a urbanização e a economia baseada no dinheiro, mas também para estimular outras mudanças.


Imagem mostrando a chegada dos europeus na Austrália: início da colonização da Oceania

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Imagem mostrando a chegada dos europeus na Austrália: início da colonização da Oceania.

 



Fontes


https://www.larousse.fr/encyclopedie/
autre-region/Oc%C3%A9anie/126906


https://en.wikipedia.org/wiki/History_of_Oceania


https://www.encyclopedia.com/places/australia-and-oceania/
pacific-islands-political-geography/oceania