Paul Cézanne

Paul Cézanne foi um pintor francês do Impressionismo.

Paul Cézanne: considerado um dos precursores da pintura moderna
Paul Cézanne: considerado um dos precursores da pintura moderna

 

Quem foi


Paul Cézanne foi um importante pintor francês. É considerado um artista de transição entre o Impressionismo do final do século XIX e o Cubismo do início do século XX. É, portanto, um dos precursores da Arte Moderna.

Sua abordagem artística de forma e cor influenciou muito o cubismo e preparou o cenário para a arte moderna do século XX.

 

Biografia resumida

 


Nascido em 19 de janeiro de 1839, em Aix-en-Provence, França, Paul Cézanne era filho do rico banqueiro Louis-Auguste Cézanne. Ele desenvolveu uma paixão precoce pela arte e foi orientado por um artista local. Apesar dos desejos de seu pai para que ele estudasse direito, Cézanne se matriculou na Académie Suisse em Paris em 1861, onde começou a desenvolver seu estilo artístico único.


Em Paris, Cézanne tornou-se amigo de Camille Pissarro, uma figura chave no seu desenvolvimento como artista. Pissarro o apresentou a vários pintores impressionistas, que desempenharam um papel significativo na formação de sua perspectiva sobre a arte. A relação de Cézanne com Émile Zola, um amigo de infância e escritor renomado, também influenciou significativamente sua carreira.


Os primeiros trabalhos de Cézanne mostraram seu fascínio pelas paletas e temas mais escuros encontrados no romantismo. No entanto, seu estilo evoluiu após suas interações com pintores impressionistas, levando a uma mudança no sentido de retratar a luz ao ar livre. Apesar disso, manteve sempre um estilo distinto e característico, esforçando-se por retratar a estrutura subjacente aos objetos que pintava.


Apesar de seu estilo único, o trabalho de Cézanne foi inicialmente rejeitado pelo Salão de Paris, a exposição de arte oficial da Académie des Beaux-Arts em Paris. No entanto, ele gradualmente ganhou reconhecimento, especialmente depois que suas obras foram exibidas na primeira e terceira exposições impressionistas na década de 1870.



Cézanne era conhecido por seu temperamento volátil e preferência pela solidão. Casou-se com Marie-Hortense Fiquet em 1886, com quem teve um filho. Apesar do casamento, ele passou grande parte de sua vida na solidão, focado em sua arte.



Nas últimas décadas de sua vida, Cézanne produziu algumas de suas obras mais reconhecidas, muitas vezes retratando o Mont Sainte-Victoire, uma montanha no sul da França. Ele faleceu de pneumonia em 22 de outubro de 1906.

 

Foto de um homem branco de barba e cabelos negros

Paul Cézanne com 38 anos.

 

 

Principais características do estilo artístico:

 

Em suas primeiras pinturas, utilizou cores sombrias e tristes.

Valorização no uso das cores. Ele usava a cor para criar forma e profundidade, aplicando pequenas pinceladas de diferentes tons para sugerir os contornos dos objetos.

Inovação no uso da perspectiva.

Suas pinceladas são tipicamente grossas e expressivas, conferindo uma qualidade texturizada, quase escultural, às suas pinturas.

Variação entre sombra e luz.

Composições de cores fora do comum (tradicional).

Simplicidade de motivos.

Uso de formas geométricas (principalmente na fase cubista). Cézanne costumava decompor objetos e paisagens em formas geométricas básicas, como cilindros, esferas e cones, abrindo caminho para o Cubismo.


Os principais temas retratados em suas obras foram: cenas cotidianas, paisagens naturais, retratos, banhistas, natureza-morta e temas históricos.


O principal meio de pintura utilizado por Cézanne foi o óleo sobre tela.

Em vez de usar contrastes dramáticos, Cézanne frequentemente empregava gradações sutis de cor para representar luz e sombra.

 

Pintura mostrando dois homens jogando cartas numa mesa

Os Jogadores de cartas (1892-1895): pintura a óleo sobre tela de Paul Cézanne.



Principais obras:


Retrato de Louis-Auguste Cézanne, o pai do artista (1866)

- Paul Alexis lendo Émile Zola (1870)

- A alameda de Jos de Bouffan (1871)

- A casa do enforcado (1873)

- Camille Pissarro (1874)


- Uma Olímpia Moderna (1874)

- Autorretrato com um chapéu de palha (1875)

- O degelo em Fontainebleau (1879)

- A banhista (1885)

- As margens de Marne (1888)

- O menino de colete vermelho (1889)

- Os jogadores de Cartas (1895)

- Banhistas (1892)

- Les Grands Baigneuses (1894 - 1905)

- Mulher com cafeteira (1894)

- Maças e laranjas (1895 - 1900)

- Uma velha com um rosário (1895 - 1896)

- Monte Saint-Victoire (1898)

 

Maças e laranjas obra de Paul Cézanne.

Maças e laranjas (1895-1900): obra de Paul Cézanne.

 

 

Exemplos de Frases:


- "A pintura deve nos dar o sabor da eternidade da natureza".

 

- "A arte tem uma harmonia que se assemelha a da natureza".

 

- "A cor é o lugar onde nosso cérebro e o universo se encontram".

 

 

Legado artístico e influências

 

O legado de Paul Cézanne para o mundo da arte é profundo, sendo frequentemente considerado uma ponte entre o Impressionismo do século XIX e o Cubismo do século XX. Sua abordagem inovadora à forma, cor e perspectiva influenciou profundamente muitos artistas modernos, incluindo Pablo Picasso e Georges Braque, que utilizaram os métodos de Cézanne para desenvolver o Cubismo.


O uso de simplificação geométrica e sua técnica de construir forma com cor abriram caminho para a abstração na arte. A ênfase de Cézanne na estrutura subjacente das formas naturais inspirou artistas como Henri Matisse e os Fauves (pintores do Fauvismo), que adotaram seu uso ousado de cor.

O trabalho de Cézanne também teve um impacto significativo nos expressionistas alemães, contribuindo para a evolução da arte moderna ao desafiar técnicas tradicionais e encorajar uma abordagem mais subjetiva e expressiva à pintura.



Curiosidades:

 

• A tela Os jogadores de cartas, de Paul Cézanne, foi a pintura mais cara já vendida na história das artes plásticas. Em 2011, a família real do Catar comprou a tela por US$ 250 milhões.

 

• Cézanne foi uma das mais importantes referências artísticas de Pablo Picasso.

 

• Mont Sainte-Victoire (Montanha Santa Vitória), montanha provençal, era um tema recorrente em seu trabalho, simbolizando seu compromisso em capturar a essência do mundo natural.

 

 

Pintura do Monte Santa Vitória

Monte Santa Vitória (1898): pintura de paisagem pós-impressionista de Paul Cézanne.

 

 


 

Por Jefferson Evandro Machado Ramos
Graduado em História pela Universidade de São Paulo - USP (1994).

Temas relacionados