Georges Braque

Georges Braque foi um artista plástico cubista francês.

Georges Braque: importante pintor do cubismo francês
Georges Braque: importante pintor do cubismo francês

 

Quem foi

 

Georges Braque foi um escultor, gravurista e pintor modernista francês. É considerado um dos principais representantes do cubismo na França.

 

Embora seja reconhecido como um expoente da pintura cubista, Braque, no começo de sua carreira artística se destacou com paisagens fauvistas.

 

Georges Braque nasceu na cidade francesa de Argentuil, em 13 de maio de 1882. Faleceu em Paris, no dia 31 de agosto de 1963.

 

Características de seu estilo artístico (pintura):

 

- Destacou-se na pintura de naturezas-mortas.

 

- Entre os principais temas preferidos, podemos citar: pássaros, paisagens, mesas de bilhar e interiores.

 

- Retratação de temas abstratos e complexos.

 

- É o inventor da técnica do papel colado (papier collé). Esta técnica consistia na colagem de pedaços de papel na tela.

 

- Representação, em suas pinturas, de temas simples e cotidianos.

 

- Uso de ornamentos, texturas e cores sutis (características típicas de seus trabalhos nas décadas de 1930 e 1940).


Fotografia do artista plástico francês Georges Braque

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



Georges Braque (foto de 1908): grande nome do cubismo nas artes plásticas.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Principais obras de Georges Braque:

 

- Mastro no porto de Antuérpia (1906)

- As grandes árvores (1906-1907)

- O viaduto em L’Estaque (1908)

- Violino e jarro (1910)


- Garrafas e peixes (1910-1912)


- Mulher com bamdolim (1910)

- Fruteira e copo (1910)

- Natureza morta com Tenora (1913)

- A garrafa de rum (1914)

- Cartas e dados (1914)


- O pintor e seu modelo (1939)

- A mesa de bilhar (1945)


- Os pássaros (1960)


Garrafas e peixes, obra de Georges Braque

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Garrafas e peixes (1910-1912), obra de Georges Braque.

 

 


 

 

 



Revisado e atualizado em 08/09/2020.

___________________________________

Por Jefferson Evandro Machado Ramos
Graduado em História pela Universidade de São Paulo - USP (1994).