Crise na União Europeia

Causas da crise econômica na Europa, consequências, ações de combate à crise, resumo sobre a crise econômica na Europa

Protestos de rua na Grécia contra medidas impopulares de combate à crise econômica
Protestos de rua na Grécia contra medidas impopulares de combate à crise econômica

 

Crise na União europeia

 

No plano econômico mundial, o ano de 2011 foi marcado pela crise econômica na União Europeia. Em função da globalização econômica que vivemos na atualidade, a crise se espalhou pelos quatro cantos do mundo, derrubando índices das bolsas de valores e criando um clima de pessimismo na esfera econômica mundial.

 

Principais causas da crise na UE:

 

- Endividamento público elevado, principalmente de países como a Grécia, Portugal, Espanha, Itália e Irlanda.

 

- Falta de coordenação política da União Europeia para resolver questões de endividamento público das nações do bloco.


Consequências da crise:

 

- Fuga de capitais de investidores;

 

- Escassez de crédito;

 

- Aumento do desemprego;

 

- Descontentamento popular com medidas de redução de gastos adotadas pelos países como forma de conter a crise;

 

- Diminuição dos ratings (notas dadas por agências de risco) das nações e bancos dos países mais envolvidos na crise;

 

- Queda ou baixo crescimento do PIB dos países da União Europeia em função do desaquecimento da econômica dos países do bloco.

 

- Contaminação da crise para países, fora do bloco, que mantém relações comerciais com a União Europeia, inclusive o Brasil. A crise pode, de acordo com alguns economistas, causar recessão econômica mundial.

 

Ações tomadas pela União Europeia para enfrentar a crise:

 

- Implementação de um pacote econômico anticrise (lançado em 27/10/2011);

 

- Maior participação do FMI (Fundo Monetário Internacional) e do Banco Central Europeu nas ações de enfrentamento da crise;

 

- Ajuda financeira aos países com mais dificuldades econômicas como, por exemplo, a Grécia.

 

- Definição de um Pacto Fiscal, que foi ratificado em 2012, cujos objetivos foram: garantir o equilíbrio das contas públicas das nações da União Europeia e criar sistemas de punição aos países que desrespeitarem o pacto. Vale destacar que o Reino Unido não aceitou o pacto, fato que aumentou a crise política na região.

 

* As ações de combate à crise foram coordenadas, principalmente, por França e Alemanha.  

 

Economia da União Europeia em 2018: o fim da crise

 

- O ano de 2018 começou bem para a União Europeia. O PIB do bloco econômico apresentou crescimento de 2,4% no primeiro trimestre do ano.

 

- De acordo com muitos economistas, a crise econômica na União Europeia, que teve início em 2011, terminou. Grande parte dos países da UE já apresenta bons resultados econômicos. O desemprego está em queda e as contas públicas estão entrando em patamares normais.