Junqueira Freire

Junqueira Freire foi um poeta brasileiro da 2ª Geração do Romantismo brasileiro.

Junqueira Freire: um dos grandes poetas do Romantismo no Brasil
Junqueira Freire: um dos grandes poetas do Romantismo no Brasil


Quem foi

 

Luís José Junqueira Freire (nome completo) foi um monge católico e poeta baiano do século XIX. É considerado um importante representante da Segunda Geração do Romantismo (Ultrarromantismo) na Literatura Brasileira.



Biografia resumida:

 

Junqueira Freire nasceu na cidade de Salvador (Bahia), em 31 de dezembro de 1832.

 

Teve uma infância com sucesso escolar, porém com problemas de saúde (doença cardiovascular). Desde cedo, apresentou grande interesse pela poesia, pois tinha muito talento e vocação para a produção literária.

 

Aos 19 anos, seus pais o colocaram no Mosteiro de São Bento. Porém, Junqueira Freire viveu muito triste e revoltado neste local, pois não era o caminho que desejava para sua vida. Por outro lado, o isolamento e a tranquilidade da vida monástica deram-lhe condições para ler muito e produzir suas poesias. Também trabalhou como professor no mosteiro.

 

Em 1853, solicitou sua secularização. Foi para casa e produziu sua autobiografia e uma coleção de versos.

 

Faleceu de problemas cardíacos, em Salvador, aos 22 anos, em 24 de junho de 1855.



Principais características do seu estilo literário:

 

Poesias marcadas por profunda tristeza, pessimismo, melancolia e desesperança. Egocentrismo e subjetivismo também são características de suas poesias, assim como o desejo pela vida com os prazeres do mundo.

 

Suas poesias tratam, principalmente, de temas religiosos (ligados ao cristianismo) e amorosos. Porém, também aparecem em seus textos, questões filosóficas, populares e de caráter social.

 

Como muitos escritores românticos, ele tinha um forte senso de nacionalismo, valorizando a cultura e a identidade brasileira em sua escrita.

 

Sua obra reflete várias experiências que teve no mosteiro e nas conflituosas relações familiares. Portanto, a autobiografia é um dos principais aspectos de sua obra.

 

Suas poesias também apresentam características do estilo neoclássico.

 

Principais obras de Junqueira Freire:

 

- Inspirações do claustro, 1855.

 

- Elementos de retórica nacional, 1869.

 

- Obras, edição crítica por Roberto Alvim Corrêa, 3 vols., 1944.

 

- Desespero da Solidão (1976) - poemas escolhidos

 

Capa do livro Desespero da Solidão de Junqueira Freire

Capa do livro Desespero da Solidão  (1976) - seleção de poemas de Junqueira Freire

 

 

Você sabia?

 

Junqueira Freire é o patrono da cadeira número 25 da Academia Brasileira de Letras.

 


Trechos de algumas de suas poesias:

 

O JESUÍTA

 

“Era longe — bem longe: e eu vim primeiro

Cindindo as ondas desse mar profundo.

E por amor da Cruz vaguei sozinho

Nas ínvias matas desse novo mundo.

 

O tamoio gentil ervava as setas,

Quando pelos vergéis, tão seus, me via:

E co'os olhos fosfóricos ardendo

A taquara fatal a mim tendia”.

 

MORTE

(Hora de Delírio)

 

"Pensamento gentil de paz eterna,

Amiga morte, vem. Tu és o termo

De dous fantasmas que a exigência formam,

— Dessa alma vã e desse corpo enfermo.

 

Pensamento gentil de paz eterna,

Amiga morte, vem. Tu és o nada,

Tu és a ausência das moções da vida,

Do prazer que nos custa a dor passada.

 

Pensamento gentil de paz eterna,

Amiga morte, vem. Tu és apenas

A visão mais real das que nos cercam,

Que nos extingues as visões terrenas".

 

 



Artigo publicado em 06/11/2019 e atualizado em 14/05/2024


Por Elaine Barbosa de Souza
Graduada em Letras (Português e Inglês) pela FMU (2002).