Nicolau Maquiavel

Nicolau Maquiavel foi um filósofo, historiador, político e estadista italiano da época do Renascimento.

Nicolau Maquiavel: um dos grandes teóricos do Renascimento
Nicolau Maquiavel: um dos grandes teóricos do Renascimento


Introdução - quem foi

 

Nicolau Maquiavel foi um importante historiador, diplomata, filósofo, estadista e político italiano da época do Renascimento. Nasceu na cidade italiana de Florença em 3 de maio de 1469 e morreu, na mesma cidade, em 21 de junho de 1527.



Biografia resumida, obras e principais ideias filosóficas

 

Filho de pais pobres, Maquiavel desde cedo se interessou pelos estudos. Aos sete anos de idade começou a aprender latim. Logo depois passou a estudar ábaco e língua grega antiga.

 

Aos 29 anos de idade, ingressou na vida política, exercendo o cargo de secretário da Segunda Chancelaria da República de Florença. Porém, com a restauração da família Médici ao poder, Maquiavel foi afastado da vida pública. Nesta época, passou a dedicar seu tempo e conhecimentos para a produção de obras de análise política e social.

 

Em 1513, escreveu sua obra mais importante e famosa “O Príncipe”. Nesta obra, Maquiavel aconselha os governantes como governar e manter o poder absoluto, mesmo que tenha que usar a força militar e fazer inimigos. Esta obra, que tentava resgatar o sentimento cívico do povo italiano, situava-se dentro do contexto do ideal de unificação italiana. 

 

Entre os anos de 1517 e 1520, escreveu “A arte da guerra”, um dos livros menos lidos do autor. 

 

Em 1520, Maquiavel foi indicado como o principal historiador de Florença.

 

No ano de 1524, foi publicada sua peça para o teatro intitulada "Mandrágora". Na obra, considerada uma das mais importantes do Renascimento, Maquiavel faz críticas, através da sátira, à corrupção da sociedade italiano do século XVI.

 

Nos “Discursos sobre a primeira década de Tito Lívio”, de 1513 a 1521, Maquiavel defende a forma de governo republicana com uma constituição mista, de acordo com o modelo da República de Roma Antiga. Defende também a necessidade de uma cultura política sem corrupção, pautada por princípios morais e éticos.

 

O termo “maquiavélico”

 

Em função das ideias defendidas no livro “O Príncipe”, o termo “maquiavélico” passou a ser usado para aquelas pessoas que praticam atos desleais (até mesmo violentos) para obter vantagens, manipulando as pessoas. Este termo é injustamente atribuído a Maquiavel, pois este sempre defendeu a ética na política.



Curiosidades:

 

- Conhecemos Maquiavel mais por suas obras sobre política e governo. Porém, ele também escreveu poesias, novelas e peças de teatro.

 

- Maquiavel foi casado com Marietta Corsini (1481-1553) e com ela teve cinco filhos.

 

Estátua de Maquiavel em Florença

Estátua de Maquiavel em Florença.



Exemplos de frases de Maquiavel:

 

- "Os homens ofendem mais aos que amam do que aos que temem".

 

- "O desejo de conquista é algo natural e comum; aqueles que obtêm sucesso na conquista são sempre louvados, e jamais censurados; os que não têm condições de conquistar, mas querem fazê-lo a qualquer custo, cometem um erro que merece ser recriminado".

 

- "Nada faz o homem morrer tão contente quanto o recordar-se de que nunca ofendeu ninguém, mas, antes, ajudou a todos".

 

- "Quem do prazer se priva e vive entre tormentos e fadigas, do mundo não conhece os enganos".

 

- "Todos os profetas armados venceram, e os desarmados foram destruídos".

 

- "A ambição é uma paixão tão forte no coração do ser humano, que, mesmo que galguemos as mais altas posições, nunca nos sentimos satisfeitos".

 

- "Os homens quando não são forçados a lutar por necessidade, lutam por ambição".

 

- "O homem que tenta ser bondoso todo tempo está fadado à ruína entre os inúmeros outros que não são bons".

 

- "O homem esquece de forma mais fácil a morte do pai do que a perda do patrimônio".

 

- "Aquele que é tido em grande estima não se torna objeto de conspirações"

 

- "Na política, os aliados atuais são os inimigos de amanhã".

 

Casa de Maquiavel

Casa de Maquiavel em Florença.





atualizado em 04/05/2021

Por Jefferson Evandro Machado Ramos
Graduado em História pela Universidade de São Paulo - USP (1994).