Antigo Regime

O Antigo Regime é um nome dado para o período do absolutismo na França entre os séculos XV e XVIII.

Antigo Regime: poder concentrado nas mãos do rei (retrato do rei Luis XIV da França)
Antigo Regime: poder concentrado nas mãos do rei (retrato do rei Luis XIV da França)

 

O que foi - definição histórica


O Antigo Regime pode ser definido como um sistema de governo que vigorou na Europa, principalmente, entre os séculos XVI e XVIII.

 

Origem da expressão

 

A expressão “Antigo Regime” foi criada pelos líderes da Revolução Francesa (1789) para se referirem ao período histórico anterior ao processo revolucionário. Esse termo possuía uma forte conotação negativa, pois expressava o absolutismo e suas características econômicas, políticas e sociais.

 

Para os revolucionários franceses, o novo regime, implantado por eles na França, significava tudo que havia de positivo e bom para a sociedade. Esses novos valores eram a democracia, a justiça social, a participação do povo na política, a liberdade de expressão e os direitos iguais. Tudo o que era oposto a esses valores, e que faziam parte do absolutismo, era tratado como Antigo Regime.

 

Essa expressão, após a Revolução Francesa, passou a ser usada em outros países da Europa e depois se espalhou pelo mundo. Filósofos, sociólogos e, principalmente historiadores, passaram a usar esse termo para fazer referência ao período histórico europeu (do século XVI ao XVIII) em que existiu, na França e outros países do continente, o sistema absolutista. Até os dias atuais esse termo é utilizado como um conceito histórico.


As principais características do Antigo Regime foram:



- Absolutismo: forma de governo totalmente concentrada na figura do rei. Este exercia seu poder sem utilizar os métodos democráticos, impondo sua própria vontade na elaboração e aplicação das leis. Grande parte dos recursos arrecadados com impostos era utilizada para manter os gastos e o luxo da corte.


- Mercantilismo: o estado tinha como objetivos a obtenção de metais precisos (para fabricação de moedas), manutenção da balança comercial favorável, protecionismo alfandegário, acúmulo de riquezas nas mãos dos reis e ênfase no comércio marítimo.

 

- O Antigo Regime existiu, principalmente, na França, Inglaterra, Espanha, Portugal e Império Russo.

 

- Transmissão hereditária do poder (de pai para filho). Não havia eleição e nenhuma característica da democracia como vivenciamos hoje.

 

- Privilégios econômicos, sociais, políticos e tributários para os integrantes da nobreza e do clero.

 

- Repressão, muitas vezes violentas, a qualquer tipo de oposição ao regime monárquico ou ao poder do rei.

 

- Cobrança de elevados tributos e impostos das classes sociais mais baixas (principalmente dos camponeses).

 

- Exército forte e controlado pelo rei.

 

- Ausência total de liberdade de expressão.

 

- Justiça elaborada e aplicada pelo monarca (o rei representava o sistema judiciário).

 

- O rei tinha que ser tratado como uma espécie de representante de Deus na Terra.

 

- O rei influenciava na religião. Ocorreram vários casos de perseguições religiosas, promovidas pelo rei, contra aqueles que não seguiam a religião oficial do reino.

 

Figura da Bastilha na França do Antigo Regime

Bastilha: prisão política usada pelos reis absolutistas franceses e símbolo do Antigo Regime. Foi incendiada pelos revolucionários em 1789, no início da Revolução Francesa.

 

 

Curiosidade histórica:

 

- O processo da Revolução Francesa, iniciado em 1789,  foi o elemento social que deu início ao fim do Antigo Regime na Europa, pois tirou do poder a monarquia absolutista.

 

- O último monarca do Antigo Regime foi Nicolau II, czar do Império Russo.

 

Retrato do czar Nicolau II da Rússia

 

Czar Nicolau II da Rússia: último representante do Antigo Regime na Rússia, que terminou com a revolução de 1917.




 



atualizado em 05/12/2020

Por Jefferson Evandro Machado Ramos
Graduado em História pela Universidade de São Paulo - USP (1994).