Império Britânico

O Império Britânico foi um dos maiores e mais ricos da história.

Leão: o animal que simbolizava o poder do império britânico.
Leão: o animal que simbolizava o poder do império britânico.

 

Formação do Império Britânico



As sementes do Império Britânico foram plantadas no final do século XV e início do século XVI, impulsionadas por uma combinação de ambições econômicas, motivações religiosas e o espírito de exploração. A ruptura da Inglaterra com Roma no século XVI, sob Henrique VIII, e a subsequente instituição do Protestantismo forneceram um impulso religioso e ideológico para a expansão inglesa ultramarina. Este período viu a Inglaterra, e após 1707, a Grã-Bretanha, estabelecendo colônias e postos comerciais nas Américas, África e Ásia.

 

O crescimento do império foi alimentado pelo desejo de comércio, particularmente em commodities como açúcar, chá e especiarias, bem como pela necessidade estratégica de controlar rotas marítimas.



Regiões sob o Império Britânico



O Império Britânico abrangeu uma vasta gama de territórios em todos os continentes habitados. No século XIX e início do século XX, incluiu grandes partes da América do Norte, Caribe, África, Ásia (notavelmente a Índia, frequentemente referida como a "joia da coroa"), Australásia e as Ilhas do Pacífico. Também teve participações significativas no Oriente Médio. A frase "o sol nunca se põe no Império Britânico" descreveu adequadamente sua extensão global.

 

Pinturas mostrando navios britânicos

A esquadra britânica foi fundamental na formação do Império Britânico.




Governo e administração do império



O Império Britânico foi governado através de uma mistura de regras diretas e indiretas, dependendo da região e do período. Em algumas áreas, os britânicos estabeleceram controle direto por meio de administrações coloniais, enquanto em outras, governaram indiretamente através de governantes locais ou estabeleceram governos de colonos. Os Domínios (como Canadá, Austrália, Nova Zelândia e África do Sul) eram colônias autogovernadas com autonomia significativa.

 

Mapa mostrando as possessões britânicas no mundo

Mapa mostrando as possessões britânicas (em vermelho) no final do século XIX.

 

 

Como os britânicos exploraram suas colônias

 

O Império Britânico explorou suas colônias de várias maneiras, sendo a principal delas a extração econômica. Por exemplo, na Índia, a economia britânica se beneficiou enormemente do comércio triangular, incluindo o comércio de escravos, mas não pôde fornecer uma representação quantificável da riqueza extraída, o que levou à desindustrialização e empobrecimento da colônia. Os imensos lucros obtidos foram usados para desenvolver interesses britânicos, possibilitando que a Revolução Industrial ocorresse quando ocorreu.


Além da exploração econômica, o Império Britânico também explorou suas colônias por meio de políticas de terra. A terra era o principal recurso colonial, e sua aquisição e exploração eram os caminhos mais óbvios para a riqueza, privilégio e poder político tanto para os colonos quanto para os investidores britânicos. Nas colônias reais da América e das Índias Ocidentais, onde o título de terra pertencia à coroa, sua aquisição e posse estavam sujeitas a regulamentos que, coletivamente, equivaliam à política da coroa. Essa política oferecia termos relativamente generosos e restrições fáceis de serem evitadas, contribuindo para a exploração dessas colônias.

 

Pintura de um forte britânico na Índia

Forte britânico na Índia: construído para proteger um dos seus principais domínios coloniais.



O imperialismo cultural britânico

 

Durante o auge do Império Britânico, a cultura britânica foi exportada para colônias ao redor do mundo, da América do Norte à Austrália, da África à Ásia. Essa disseminação cultural fazia parte de um processo mais amplo de colonização e controle imperial, frequentemente referido como "imperialismo cultural". Normas, valores e costumes britânicos foram introduzidos por diversos meios, incluindo educação, religião e governança.

A língua inglesa tornou-se uma ferramenta de administração e comunicação, e era frequentemente ensinada nas escolas ao lado da história e literatura britânicas. Essa política educacional visava incutir valores culturais britânicos e lealdade à coroa entre os súditos coloniais.


A religião desempenhou um papel significativo na disseminação da cultura britânica dentro das colônias. A Igreja da Inglaterra, juntamente com outras denominações protestantes, estabeleceu missões para converter as populações indígenas ao cristianismo. Essas missões não eram apenas empreendimentos religiosos, mas também culturais, pois buscavam substituir os costumes e sistemas de crenças locais pelos da Grã-Bretanha. A construção de igrejas, a celebração de feriados cristãos e a introdução de casamentos e funerais ao estilo britânico foram todas maneiras pelas quais a cultura britânica se infiltrou no tecido social das colônias. A igreja também se tornou um centro para a vida comunitária, muitas vezes fornecendo serviços de educação e saúde, enraizando ainda mais a influência cultural britânica.


Atividades sociais e recreativas foram outro caminho pelo qual a cultura britânica foi propagada nas colônias. Esportes como críquete, rúgbi e futebol foram introduzidos e se tornaram passatempos populares, com muitas colônias desenvolvendo suas próprias equipes e ligas. Costumes sociais britânicos, como o chá da tarde, bailes formais e a estrita adesão à etiqueta social, foram adotados pela elite colonial. A arquitetura também refletia os gostos britânicos, com cidades coloniais apresentando edifícios em estilos como vitoriano, eduardiano e georgiano. Essas impressões culturais tiveram um impacto duradouro, e mesmo após o declínio do Império Britânico, muitas ex-colônias ainda retêm aspectos da cultura britânica em sua língua, sistemas legais e normas sociais.

 

Foto de um portal

Portal da Índia em Bombaim: construído durante o período colonial britânico.




Dissolução do Império Britânico


A dissolução do Império Britânico foi um processo gradual que se desenrolou durante a primeira metade do século XX, acelerando após a Segunda Guerra Mundial. Fatores que contribuíram para seu declínio incluíram os custos econômicos de duas guerras mundiais, o surgimento de movimentos nacionalistas nos territórios coloniais e a mudança de atitudes em relação ao imperialismo na Grã-Bretanha e internacionalmente.

 

O processo de descolonização viu a transformação de colônias, protetorados e domínios em nações independentes. Até o final do século XX, o Império Britânico havia efetivamente deixado de existir, substituído pela Commonwealth of Nations, uma associação voluntária de estados independentes, a maioria dos quais são ex-territórios do Império.



Conclusão

A história do Império Britânico é um testemunho das complexidades do poder global, dos impactos do colonialismo e dos legados duradouros do império no mundo moderno. Sua formação, administração e dissolução refletem temas mais amplos na história mundial, incluindo as dinâmicas do comércio, os impactos da troca cultural e a luta pela autodeterminação.

 

 


 

Publicado em 04/02/2024

Por Jefferson Evandro M. Ramos (graduado em História pela USP).