Gilles Deleuze

Gilles Deleuze foi um importante filósofo pós-estruturalista francês do século XX.

Gilles Deleuze: importante filósofo contemporâneo.
Gilles Deleuze: importante filósofo contemporâneo.



Quem foi Gilles Deleuze?



Gilles Louis René Deleuze, mais conhecido como Gilles Deleuze, foi um importante filósofo francês do século XX, conhecido por seus trabalhos influentes em filosofia, literatura, cinema e arte. Sua filosofia é caracterizada pela ênfase na diferença, no devir e na criação de conceitos. O trabalho de Deleuze transcendeu as fronteiras tradicionais dentro das disciplinas filosóficas e teve um impacto significativo em vários campos das humanidades, incluindo teoria da arte e literária.

 

Gilles Deleuze é frequentemente associado às seguintes escolas ou correntes filosóficas: Pós-estruturalismo (principal) Filosofia da diferença e Pós-modernismo.




Breve biografia



Gilles Deleuze nasceu em 18 de janeiro de 1925, em Paris, França, em uma família de classe média.

Seus anos de formação foram marcados pelos desafios da Segunda Guerra Mundial. Seu irmão, Georges, era membro da Resistência Francesa e morreu a caminho de um campo de concentração.

 

Deleuze prosseguiu seus estudos na Sorbonne, onde foi ensinado por vários filósofos renomados. Ele passou sua carreira lecinando em várias instituições, incluindo a Universidade de Paris VIII. Tornou-se Doutor em Filosofia (PhD) em Filosofia, em 1969.

 

A vida de Deleuze também foi tocada por tragédias pessoais, e ele faleceu em 4 de novembro de 1995, em Paris.




Ideias e características da obra filosófica de Gilles Deleuze:



A filosofia de Deleuze é caracterizada por sua originalidade e complexidade.

 

Ele rejeitou a ideia de unidade ontológica, propondo, em vez disso, que a existência é caracterizada por um processo de devir (ideia de que a existência não é estática ou unificada, mas sim caracterizada por um processo contínuo de mudança e transformação).

 

Deleuze considerava a filosofia como a criação de conceitos e era conhecido por suas deduções precisas desses conceitos.

 

Seu trabalho desafiava frequentemente a divisão entre as tradições continentais e analíticas na filosofia.

 

Uma das ideias centrais do pós-estruturalismo presentes no trabalho de Deleuze é a ênfase na diferença em vez da identidade. Em sua obra, "Diferença e Repetição", Deleuze argumenta por uma filosofia que se move além da representação e identidade em direção a um foco na própria diferença.

 

A filosofia de Deleuze também é notada por sua clareza, rigor e o uso de neologismos (processo de criação de novas palavras ou a atribuição de novos significados a palavras já existentes para expressar conceitos ou realidades emergentes), o que pode tornar seus textos desafiadores para interpretar.

 

Como muitos pós-estruturalistas, Deleuze emprega uma abordagem interdisciplinar, recorrendo a conceitos da literatura, psicanálise, política e ciência para informar suas investigações filosóficas. Esse método reflete uma tendência pós-estruturalista de transcender limites disciplinares em busca de novas maneiras de pensar e entender.

 

Deleuze foi influenciado pelo pensamento de diversos filósofos importantes, sendo que os principais foram: Platão, Aristóteles, Lucrécio, Duns Escoto, Mirandola, Espinoza, Leibniz, Hume, Kant, Schelling, Hegel, Marx, Nietzsche, Husserl, Heidegger, Sartre, Althusser e Foucault.

 

Foto de filósofo Gilles Deleuze

Gilles Deleuze: um dos principais nomes da filosofia do século XX.

 



Obras Importantes:



1. Diferença e Repetição (1968): este tratado metafísico é considerado a obra-prima de Deleuze. Ele introduz seus conceitos filosóficos centrais de diferença e repetição, propondo uma crítica radical ao mesmo e ao idêntico em favor de uma filosofia da diferença.


2. Lógica do Sentido (1969): esta obra é um tratado sobre lógica e linguagem, explorando a relação entre eventos, sentido e a estrutura da linguagem. Reflete o interesse de Deleuze nos estoicos e seu conceito de efeitos incorpóreos (manifestações não materiais, como ideias e conceitos, que emergem da interação entre corpos e linguagem, expressando-se através destes).


3. O Anti-Édipo (1972): escrito com Félix Guattari, este livro é o primeiro volume da coleção "Capitalismo e Esquizofrenia". Oferece uma crítica às teorias psicanalíticas do desejo e do complexo de Édipo, propondo um modelo alternativo de desejo que é produtivo, positivo e social.


4. O que é a Filosofia? (1991): nesta colaboração com Félix Guattari, Deleuze reflete sobre a natureza e o propósito da filosofia. O livro distingue a Filosofia da Ciência e da Arte e discute conceitos como imanência e o plano de composição para conceitos.



Legado

 

O legado filosófico de Gilles Deleuze é marcado por seu profundo impacto em uma ampla gama de disciplinas acadêmicas, através de sua inovadora exploração de conceitos como diferença, repetição e a criação de conceitos. A colaboração de Deleuze com Félix Guattari, particularmente em suas obras seminais *Anti-Édipo* e *Mil Platôs*, criticou as estruturas tradicionais de poder e explorou o potencial revolucionário dos fluxos de desejo desterritorializados, marcando uma contribuição fundamental para a literatura filosófica.


Apesar da complexidade de seus escritos, o legado de Deleuze é o de um filósofo que via a filosofia como um ato criativo, voltado para inventar novas formas de pensar e ser. Sua resistência às categorizações filosóficas tradicionais e sua ênfase nos processos de tornar-se, diferença e repetição inspiraram um amplo espectro de artistas, cineastas e pensadores, contribuindo para um diálogo vibrante sobre a natureza da realidade e o poder do pensamento criativo. Assim, a influência de Deleuze estende-se além da filosofia acadêmica, continuando a inspirar um engajamento crítico e criativo com o mundo.

 

 


 


Publicado em 02/04/2024

Por Equipe Sua Pesquisa (revisão do historiador Jefferson E. M. Ramos).