Thomas Hobbes

Quem foi, principais ideias filosóficas, biografia resumida, obras principais, escola filosófica que pertencem, contrato social, frases, bibliografia indicada

Thomas Hobbes: grande filósofo inglês do século XVII
Thomas Hobbes: grande filósofo inglês do século XVII

 

Quem foi

 

Thomas Hobbes foi um importante filósofo inglês do século XVII. Obteve destaque também nos campos da Matemática e Teoria Política. É considerado um dos principais representantes das escolas filosóficas mecanicista e cartesiana.

Foi importante também no desenvolvimento da base política teórica, que defendeu o Absolutismo uma nova roupagem, o Despotismo Esclarecido.

 

Sua principal obra foi Leviatã, publicada em 1651.

 

Biografia resumida

 

- Thomas Hobbes nasceu na cidade de Westport (Inglaterra) em 5 de abril de 1588.

 

- Desde a infância demonstrou grande interesses pelo conhecimento.

 

- Ainda com 14 anos foi estudar Lógica e Física na Universidade de Oxford.

 

- Depois de concluir o bacharelado, em 1608, foi trabalhar como professor de uma família nobre inglesa.

 

- Trabalhou, por um curto período, como secretário de outro importante filósofo inglês: Francis Bacon (criador do empirismo inglês).

 

- Entre 1630 e 1637, viveu na cidade de Paris. Nesta cidade, teve contato com as ideias de Descartes, que influenciaram significativamente seu pensamento.

 

- Em 1636, Hobbes desenvolveu as bases de sua filosofia social, baseando-se nos princípios da Geometria e das Ciências Naturais.

 

- Em 1646, foi professor de Matemática e Lógica do príncipe de Gales, que vivia exilado em Paris.

 

- Com 80 anos de idade, Thomas Hobbes traduziu, para a língua inglesa, duas grandes obras da literatura clássica: Ilíada e Odisseia, do poeta antigo grego Homero.

 

- Hobbes faleceu, aos 91 anos de idade, em Wiltshire (sul da Inglaterra) no dia 4 de dezembro de 1679.

 

Principais ideias filosóficas e características do pensamento de Thomas Hobbes:

 

- Uma das principais ideias defendidas por Hobbes foi a do “Contrato Social”. Esse seria uma espécie de acordo entre as pessoas de uma nação e seu governante. Enquanto a sociedade abre mão de alguns direitos sociais (democracia, por exemplo) e reconhece o poder do soberano, o governante exerce o poder no sentido de manter a ordem social e a segurança pública. Para Hobbes, esse “acordo” é necessário para manter o funcionamento normal de uma sociedade. Vale dizer também que o contratualismo também foi defendido por filósofos como John Locke e Rousseau.

 

- Rejeição da Metafísica e busca de explicações racionais para as propriedades das coisas.

 

- Visão mecanicista dos seres humanos, principalmente em seus comportamentos e sentimentos.

 

- Defesa da ideia do relativismo moral.

 

- Defesa da necessidade de um Estado Forte. Nesse sentido, deu apoio ao regime absolutista, que estava em vigor na Europa do século XVII.

 

- No campo religioso, Hobbes se colocou em defesa de uma visão agnóstica. Posicionou-se favorável a separação entre conhecimento e fé (ciência e religião).

 

Principais áreas de interesse do filósofo:

 

- Filosofia Política

 

- Ética e Moral

 

- História

 

- Matemática

 

- Geometria

 

- Lógica

 

- Ciências Naturais

 

- Religião

 

- Epistemologia

 

Principais obras de Thomas Hobbes:

 

- Leviatã (1651)

 

- Do cidadão (1642)

 

- Do corpo (1655)

 

- Os elementos da Lei Natural e Política (1650)

 

- Do Homem (1658)

 

- Da liberdade e necessidade (1654)

 

- Problemática Física (1682)

 

- Um diálogo entre um filósofo e um estudante das leis comuns da Inglaterra (1681)

 

Exemplos de frases:

 

- “O homem é o lobo do homem”.

 

- “Primeiro viver, depois filosofar”.

 

- “Os costumes são resultados do hábito convertido em caráter”.


Ilustração do livro Leviatã de Thomas Hobbes

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Parte da ilustração do livro (1ª edição de 1651) Leviatã de Thomas Hobbes.

 

 

Última revisão: 19/10/2019
___________________________________

Por Jefferson Evandro Machado Ramos
Graduado em História pela Universidade de São Paulo - USP (1994).