Características do Egito Antigo

Veja baixo uma lista das principais características culturais, políticas, econômicas e sociais da civilização egípcia antiga.

Egito Antigo: deuses e crença na vida após a morte
Egito Antigo: deuses e crença na vida após a morte

 

Principais características do Egito Antigo

 

- O governo era uma teocracia, pois o faraó (governante) era considerado uma espécie de deus na Terra. Ele tinha poder absoluto na sociedade. O poder era hereditário, ou seja, passava de pai para filho.

 

- Presença de um forte e preparado exército para conquistas e proteção das terras.

 

- O Egito Antigo era dividido em nomos, espécies de regiões administrativas.

 

- Economia concentrada na produção agrícola, realizada nas margens férteis do rio Nilo.

 

- Também criavam animais: bois, porcos, ovelhas, cabras, patos e gansos.

 

- Crença na vida após a morte. Por isso, mumificavam os corpos (principalmente dos faraós) para conservá-los para a vida futura.

 

- Possuíam uma religião politeísta (crença em vários deuses). Acreditavam também que alguns animais eram sagrados: gato, hipopótamo, escaravelho, falcão, entre outros.

 

- O Estado construía pirâmides para guardar o corpo de faraó para a vida após a morte, de acordo com a crença dos egípcios.

 

- Desenvolveram a usaram a escrita, que possui dois tipos: demótica e hieroglífica. Usavam o papiro e as paredes internas das pirâmides para deixar relatos e orientações

escritas.

 

- Realizavam atividades de mineração de metais e pedras preciosas.

 

- Possuíam relações comerciais com a Núbia, Palestina, Grécia, Creta e outras regiões próximas.

 

- A sociedade egípcia era hierarquizada e patriarcal.

 

- O casamento era monogâmico.

 

- A educação era realizada dentro da família.

 

- Existiam pessoas preparadas para a escrita e contabilidade de impostos e estoques de produtos. Esses especialistas eram os escribas.

 

- Usavam as águas do rio Nilo para diversas atividades: navegação, transporte, irrigação e consumo.

 

- As artes plásticas foram muito valorizadas na sociedade egípcia. Esculturas, pinturas e joias tiveram grande destaque.

 

- Na arquitetura, os egípcios se destacaram na construção de palácios, templos, diques, reservatórios de água e pirâmides.

 

- No Egito Antigo havia trabalho escravo e trabalho compulsório (convocação feita pela faraó para a construção de obras públicas).

 

- No campo das ciências, os egípcios se destacaram na Matemática, Medicina, Química e Astronomia.


 

Pirâmide social do Egito Antigo


Pirâmide social do Egito Antigo

 

 

 

OUTROS ASPECTOS DA CIVILIZAÇÃO EGÍPCIA ANTIGA

 

 

Origem

 

- A Civilização Egípcia surgiu por volta de 3.200 a.C., quando os reinos do Baixo Egito e Alto Egito foram unificado pelo faraó Menés (fundador da primeira dinastia egípcia).

 

Sociedade

 

- A sociedade da civilização egípcia era dividida em: nobreza (faraó e sua família), escribas (espécie de escritores e contadores dos egípcios), sacerdotes (realizavam as cerimônias religiosas), militares (faziam a segurança), artesãos, camponeses e escravos.

 

Religião

 

- No período de formação da civilização egípcia, os egípcios adoravam animais. Depois de um tempo, surgiram deuses com formas humanas (antropomórficas). Eles acreditavam na existência de vários deuses, que eram ligados à fenômenos da natureza e aspectos do comportamento humano.

 

- Os sacerdotes, encarregados dos cultos religiosos e rituais, eram considerados muito importantes na sociedade egípcia.

 

- O culto dos mortos era fundamental para os egípcios. Inclusive, eles acreditavam na vida após a morte. Os mortos, principalmente da nobreza, eram mumificados. Seus corpos mumificados (múmias) eram colocados em pirâmides (dentro de sarcófagos) junto com muitos de seus pertences pessoais (joias e outros objetos). Eles acreditavam que o morto, após uma ressureição do corpo, poderia utilizar esses objetos numa outra vida.

 

Esfinge e Pirâmides da Civilização Egípcia

Esfinge e Pirâmides: exemplos da arquitetura da Civilização Egípcia.

 

 



Última atualização: 11/12/2020

Por Jefferson Evandro Machado Ramos
Graduado em História pela Universidade de São Paulo - USP (1994).